Publicação mensal sobre Relações Internacionais

Página inicial do VOX MAGISTER

Tag: Vox Magister

Quando “sexo frágil” é uma construção social: a guerra das mulheres curdas contra o Estado Islâmico

Quando “sexo frágil” é uma construção social: a guerra das mulheres curdas contra o Estado Islâmico

Antonio Henrique Lucena Silva, Mariana Ribeiro do Nascimento
Por Mariana Ribeiro do Nascimento* Antonio Henrique Lucena Silva**     A Guerra Civil Síria (2011-) se intensificou a partir de uma revolta armada e a formação do Exército Livre Sírio. O vácuo de poder deixado por Damasco em algumas regiões do país abriu espaço para que grupos se fortalecessem, entre eles, o Estado Islâmico. A expansão do grupo EI no Oriente Médio, principalmente no Iraque e Síria, pode ser observado o grande números de refugiados que fogem em massa rumo a países onde possam ter o mínimo de segurança. O Estado Islâmico buscou expandir a sua área de controle e realizou ofensivas que chegaram em áreas controladas pelo povo curdo. Eles veem combatendo e resistindo às incursões dos terroristas e algumas áreas foram retomadas, com o apoio dos ataques aéreos feito
Democracia e Integração Regional: o Controverso Papel da Comissão Européia – parte 1

Democracia e Integração Regional: o Controverso Papel da Comissão Européia – parte 1

Cinthia Campos
Por Cinthia Campos* A crescente complexidade do processo decisório europeu, bem como seu arranjo institucional próprio, permite afirmar com segurança que a União Européia (UE) se configura como um caso sui generis na literatura, dificilmente comparável a outros fenômenos políticos presentes na realidade. Ao passo que não se caracteriza como uma confederação de Estados, tendo em vista que há áreas temáticas de competência exclusiva da União, a UE também não é uma federação aos moldes de um Estado-nação moderno, pois além de não ter uma Constituição formal, possui diversas matérias que ainda pertencem à jurisdição isolada dos governos nacionais. De fato, o grau de centralização decisória da UE é de difícil mensuração e pouco comparável a outros casos.  Ao lado do Conselho de Ministros e
As maquiladoras no Mercosul: um obstáculo à integração econômica?*

As maquiladoras no Mercosul: um obstáculo à integração econômica?*

Andrea Steiner, Gabriel Melo de Figueiredo
Por Gabriel Melo de Figueiredo** Andrea Steiner*** Como o seu próprio nome já sinaliza, o Mercado Comum do Sul, ou Mercosul, almeja ser um mercado comum. Na definição do governo brasileiro, um mercado comum é “um processo bastante avançado de integração econômica, garantindo-se a livre circulação de pessoas, bens, serviços e capitais [...] e pressupõem-se a coordenação de políticas macroeconômicas, devendo todos os países-membros seguir os mesmos parâmetros para fixar taxas de juros e de câmbio e para definir políticas fiscais”. No entanto, o bloco não chegou a se desenvolver plenamente a ponto de ser um mercado comum, e é considerado apenas como uma união aduaneira imperfeita. A imperfeição se dá pelo fato de que a tarifa externa comum (TEC) do bloco possui várias exceções para os pa
O Método Histórico-Comparativo e a Matemática!

O Método Histórico-Comparativo e a Matemática!

Júlio César Cossio Rodriguez
Por Júlio César Cossio Rodriguez* Como demonstrado nas postagens anteriores (Em defesa do Método Histórico Comparativo (MHC); O Process Tracing e o teste de hipóteses) , o MHC passa por uma recuperação dentro das ciências sociais. Uma das mudanças realizadas pelos autores que operam a atualização deste método é a defesa do uso de diagramas para a representação gráfica das relações causais. A sua utilização se faz necessária devido a uma das fraquezas desta metodologia, ou seja, o difícil entendimento das condições e de suas relações por meio do texto escrito. Desta forma, não é tarefa fácil para os leitores dos textos que se valem deste método a compreensão de, por exemplo, como se relacionam as diferentes condições INUS de um determinado resultado. Assim, autores como James Mahoney e R

Recesso.

Vox Magister
Com o final do ano, é tempo de fechar as portas para descansar um pouco e retornar com força total. Nossa última postagem desse ano foi realizada hoje. Voltaremos no dia 11 de Janeiro de 2016, com novos e instigantes textos, como tem sido nossa prática. Assine nosso blog para receber as atualizações direto no seu e-mail!
A produção científica em Relações Internacionais: da necessidade inclusiva de novas democratizações

A produção científica em Relações Internacionais: da necessidade inclusiva de novas democratizações

Thales Castro
Por Thales Castro* A ciência das Relações Internacionais tem forte herança histórico-acadêmica do mundo anglo-saxão. Originária dos chamados “países centrais”, na concepção de Immanuel Wallerstein de sistema-mundo, a ciência das Relações Internacionais – ou mais simples e diretamente chamada de política internacional por Kenneth Waltz – muitas vezes reproduz os mesmos vícios e assimetrias encontrados nas dinâmicas sociais microssistêmicas, revelando, com gravidade, situações de subalternidade, de forçada pequenez e de menosprezo pelas ricas produções acadêmicas e intelectuais da periferia ou da semiperiferia. Antes de tecermos algumas considerações mais detalhadas, convém explicitar que, como todo objeto gnosiológico humano, o conceito tricotômico centro-semiperiferia-periferia de Waller
O Process Tracing e o teste de hipóteses*

O Process Tracing e o teste de hipóteses*

Júlio César Cossio Rodriguez
Por Júlio César Cossio Rodriguez** A postagem anterior no blog fez a defesa inicial da aplicação nas RI do Método Histórico-Comparativo (MHC). Para isto, tratou de demonstrar quais são os passos iniciais para a sua aplicação. Nesta postagem aborda-se um dos instrumentos principais do MHC: o mapeamento de processos ou process tracing. Este serve, segundo David Collier (2011), para identificar a partir de rastros de evidências, principalmente históricas, uma sequência lógica de eventos, suas causas e quais são os mecanismos que ligam as causas encontradas aos resultados. Portanto, é um instrumento muito utilizado por acadêmicos que sustentam seus argumentos em evidências históricas. Outro aspecto central deste instrumento é que ele permite o teste das hipóteses causais do trabalho. Na lit
Olá, mundo!

Olá, mundo!

Vox Magister
Como qualquer projeto, este blog não nasceu da noite para o dia. Como qualquer projeto, passou por um período de gestação de alguns meses de troca de ideias, de objetivos, de planejamento, de convites. Eis que agora ele nasce, mas não como um projeto qualquer, e sim como um projeto sólido, que incorpora fortemente dois objetivos. O primeiro objetivo do Vox Magister é ser um veículo de apresentação de opiniões e análises sobre temas de Relações Internacionais (com maiúsculas, porque ciência e não objeto) à comunidade em geral, fugindo à superficialidade habitual dos veículos de mídia. O blog não pretende ser uma simples newsletter (embora você possa segui-lo se tiver uma conta do Wordpress) ou um clipping de notícias - há vários bons exemplos de trabalhos desse tipo na Internet. Nosso ob