Publicação mensal sobre Relações Internacionais

Página inicial do VOX MAGISTER

Tag: Conflitos Armados

Coreia do Norte e a administração Trump – cenários de crise

Coreia do Norte e a administração Trump – cenários de crise

Carlos Eduardo Valle Rosa
Por Carlos Eduardo Valle Rosa* Em 26 de setembro de 2017, a Universidade Potiguar, em Natal-RN, promoveu a II Semana de Relações Internacionais e Comércio Exterior, na qual esta comunicação foi apresentada na Mesa-Redonda “O que esperar do Governo de Donald Trump?”. O artigo é uma síntese da apresentação e aborda os principais cenários futuros da crise na Península Coreana. Um importante analista de cenários, Michel Godet, professor por 32 anos no Conservatório Nacional de Artes e Negócios, na França, onde atuou na disciplina de Prospecção Estratégica, afirmou que “Todos os que pretendem predizer ou prever o futuro são impostores, pois o futuro não está escrito em parte alguma, ele está por fazer.” (GODET; ROUBELAT, 1996, p. 164). A intenção não é realizar um exercício de futurologia,
A Geopolítica do Conflito Sírio: interesses conflitantes e guerra assimétrica por procuração

A Geopolítica do Conflito Sírio: interesses conflitantes e guerra assimétrica por procuração

Elton Gomes dos Reis, Maria Carneiro de Albuquerque Franca
Por Elton Gomes dos Reis* Maria Carneiro de Albuquerque Franca** Guerra Civil na Síria e Fragmentação interna Em guerra civil desde 2011, quando, no contexto da Primavera Árabe, milhares foram às ruas de Daa’ra protestar contra a prisão de quinze estudantes por picharem frases anti-regime no muro de uma escola, a Síria tem vivido nos últimos seis anos um dos conflitos mais sangrentos da história recente. A situação no país, contudo, evoluiu e deixou de limitar-se apenas às suas fronteiras. A medida que o conflito foi se prolongando sem um vencedor, novos atores com variados interesses e poder de combate foram sendo adicionados ao cenário da guerra. Às forças do governo e aos rebeldes (personagens originais da contenda), somaram-se grupos paramilitares, grupos terroristas e atores Est
Ascensão chinesa e o papel dos Estados Unidos: deep engagement ou offshore balancing?

Ascensão chinesa e o papel dos Estados Unidos: deep engagement ou offshore balancing?

Rafael de Moraes Baldrighi, Vítor Barreto Canoves
Por Rafael de Moraes Baldrighi* Vítor Barreto Canoves** Ao longo dos últimos cem anos, a grande estratégia dos Estados Unidos para conter potências que buscavam hegemonia regional caracterizou-se pela intervenção direta, o deep engagement (MONTGOMERY, 2014). São exemplos os casos da Alemanha de Guilherme II, na Primeira Guerra Mundial, bem como a Alemanha Nazista e o Japão Imperial, durante a Segunda Guerra, e, ainda, contra a União Soviética, na Guerra Fria (MEARSHEIMER, 2001). A situação atual dos Estados Unidos difere-se dos anteriores. Como a grande potência em um mundo unipolar no imediato pós-Guerra Fria, pós-atentados de 11 de setembro, com guerras dispendiosas no oriente médio e com a opinião pública questionando a grande estratégia de deep engagement, os Estados Unidos, agora,
Dragões, Estudos Estratégicos e Game of Thrones: Entendendo a Vitória pelo Poder Aéreo

Dragões, Estudos Estratégicos e Game of Thrones: Entendendo a Vitória pelo Poder Aéreo

Antonio Henrique Lucena Silva
Por Antonio Henrique Lucena Silva* O seriado Game of Thrones exibido pela HBO tem conquistado cada vez mais adeptos para acompanhar o desenrolar da sua história. Baseada na obra do romancista e roteirista George R.R. Martin “A Song of Ice and Fire” (título original em inglês), o desenrolar da história possui muitas referências ao mundo real. O paredão de gelo defendido pela Patrulha é uma inspiração na Muralha de Adriano, concluída pelos romanos no ano de 126 na Escócia para evitar a entrada dos “bárbaros”. As disputas de poder em Westeros também são baseadas nos conflitos que ocorreram na Idade Média: em 1455 estourou a Guerra das Rosas na Inglaterra. A casa York (simbolizada pela rosa branca) e a Lancaster (simbolizada pela rosa vermelha) duelaram por 30 anos. Até mesmo os nomes das p
O arrow 3 e seus impactos na política dissuasória israelense

O arrow 3 e seus impactos na política dissuasória israelense

Marco Tulio Delgobbo Freitas, Renato Prado Kloss
Por Marco Tulio Delgobbo Freitas* Renato Prado Kloss** No dia 18 de janeiro de 2017, a força aérea israelense declarou que entrou em operação o seu mais novo sistema de interceptação antimísseis: o Arrow 3. Este novo sistema, propicia uma melhor performance em sua rede de defesa, baseada em multicamadas, contra mísseis balísticos. Projetado para voar o dobro do alcance e com metade do peso do Arrow 2, este novo sistema permite a Israel a consolidação de seu sistema de defesa antimísseis, já testados e aprovados durante a Operação Iron Dome, principalmente contra os mísseis balísticos que possuem a mesma tecnologia do míssil norte-coreano BM-25 Musudan, como é o caso dos mísseis classe Shahab-3 do Irã (DAILY MAIL, 2016). O sistema antimísseis elaborado por Israel é uma resposta para u
A mulher nas missões de paz da ONU

A mulher nas missões de paz da ONU

Rodrigo Pedrosa
*Por Rodrigo Pedrosa Entre os vários âmbitos da vida internacional em que as questões de gênero têm gerado reflexões e mudanças, especialmente a partir da década de 1990, as missões de paz das Nações Unidas revelaram-se terreno fértil para pesquisadores abordarem as relações masculinidade/feminilidade. Tradicionalmente, as forças armadas são observadas e conduzidas como uma instituição masculina. Assim, enquadram-se nas chamadas gendered organizations, expressão que explicita a predominância de um gênero na estrutura e hierarquia da organização enfocada. Outra acepção do termo, mais profunda e completa, permite perceber que os discursos, valores e práticas de uma organização caracterizada como gendered estão lastreados, simbólica e ideologicamente, em determinado gênero. No contexto d
Novas Guerras: o confronto urbano entre as gangues Barriga e Sujeirinha

Novas Guerras: o confronto urbano entre as gangues Barriga e Sujeirinha

Ian Rebouças Batista, Marcos Américo Vieira
Por Ian Rebouças Batista Marcos Américo Vieira** Em comparação aos tempos de Clausewitz, as guerras já não são mais travadas da mesma forma. Na contemporaneidade, novos atores e novas formas de embate são identificadas, em parte, graças à modificação da estrutura do Estado. O modelo de Estado-nação, importado da Europa para suas colônias, mostra-se o embrião dos conflitos modernos. Segundo Kalevi Holsti (1991), podemos entender as causas das guerras contemporâneas ao analisarmos o nascimento dos Estados e a forma como estes passaram a ser governados. Consequentemente, grande parte dos conflitos contemporâneos é decorrente da inabilidade do Estado em manter a ordem interna e, para além disso, o monopólio da violência (KALDOR, 2013). Dessa forma, os campos de estudo da Segurança Interna
A Masculinidade como Variável Explicativa da Guerra nas Relações Internacionais

A Masculinidade como Variável Explicativa da Guerra nas Relações Internacionais

Wemblley Lucena de Araújo
Por Wemblley Lucena de Araújo* Fonte: http://www.pubquiz.pl/_upload/min_pytania53125199079e08.27583189.jpg Tanto a masculinidade quanto a guerra são tratadas como categorias analíticas em algumas vertentes teóricas das Relações Internacionais. Ao relacionar as duas dimensões, é possível questionar como a masculinidade pode ser considerada uma variável explicativa para o entendimento da guerra. De fato, identificar a relação entre masculinidade e guerra favorece a ressignificação de diversos conceitos e pressupostos teóricos centrais às Relações Internacionais. De modo geral, as abordagens de gênero nas Relações Internacionais habitam um subcampo das teorias consideradas pós-positivistas; assim, costumam estar distantes dos estudos tradicionais de guerra, que não têm utilizado o gênero c
O estupro como arma de guerra

O estupro como arma de guerra

Elder Paes Barreto Bringel
Por Elder Paes Barreto Bringel* Fonte: http://gbvkr.org/gender-based-violence-under-khmer-rouge/facts-and-figures/rape-during-the-khmer-rouge/   Um relatório da ONU, publicado em março de 2014, listou 21 países na Europa, Ásia, África, América do Sul e Oriente Médio onde o estupro é usado como arma de guerra. O relatório identificou 34 organizações armadas — entre milícias, grupos rebeldes e forças de segurança governamentais — suspeitas de estupros e outras formas de violência sexual em situações de conflito, em países como a República Centro-Africana, Costa do Marfim, República Democrática do Congo, Mali, Sudão do Sul e Síria. Um mês depois da publicação desse relatório da ONU, no vilarejo de Chibok, nordeste da Nigéria, 276 mulheres foram sequestradas pelo grupo extremista Boko
A violência sexual como arma de guerra

A violência sexual como arma de guerra

Mariana Vieira de Mello Costa
Por Mariana Vieira de Mello Costa* A violência contra a mulher, forma de violação aos direitos humanos decorrente da desigualdade nas relações de gênero, é classificada por Portella (2005) concomitantemente como produto e como elemento estrutural na subordinação das mulheres. Podem ser consideradas “violência contra a mulher” as diversas modalidades de violações aos direitos humanos, tais como a violência de gênero, a violência sexual, a violência física, a violência doméstica, entre outras. A violência sexual, por sua vez, é classificada pela Organização Mundial de Saúde (2002) como qualquer ato sexual ou tentativa de obtenção de ato sexual por violência ou coerção, comentários ou investidas sexuais indesejados, atividades como o tráfico humano ou diretamente contra a sexualidade de u