Publicação mensal sobre Relações Internacionais

Página inicial do VOX MAGISTER

Month: November 2016

O estupro como arma de guerra

O estupro como arma de guerra

Elder Paes Barreto Bringel
Por Elder Paes Barreto Bringel* Fonte: http://gbvkr.org/gender-based-violence-under-khmer-rouge/facts-and-figures/rape-during-the-khmer-rouge/   Um relatório da ONU, publicado em março de 2014, listou 21 países na Europa, Ásia, África, América do Sul e Oriente Médio onde o estupro é usado como arma de guerra. O relatório identificou 34 organizações armadas — entre milícias, grupos rebeldes e forças de segurança governamentais — suspeitas de estupros e outras formas de violência sexual em situações de conflito, em países como a República Centro-Africana, Costa do Marfim, República Democrática do Congo, Mali, Sudão do Sul e Síria. Um mês depois da publicação desse relatório da ONU, no vilarejo de Chibok, nordeste da Nigéria, 276 mulheres foram sequestradas pelo grupo extremista Boko
“The Sound of the Trumpet” – Razões e significados da vitória de Donald Trump

“The Sound of the Trumpet” – Razões e significados da vitória de Donald Trump

Antonio Henrique Lucena Silva
Por Antonio Henrique Lucena Silva* Desde quando começaram as disputas pelas primárias nos Estados Unidos, muitos analistas viam com certo desdém a candidatura do bilionário americano Donald Trump. Na medida em que a corrida para a nomeação foi avançando, os rivais do empresário não conseguiam romper com a onda que se formou em torno da sua candidatura. Políticos experientes do Partido Republicano, como Ted Cruz, não conseguiram se estabelecer. A retórica agressiva de Trump ficou evidente e, ao contrário do que muitos acreditavam, o ataque aos adversários não fragilizaram a sua campanha. Mesmo com um discurso muitas vezes misógino e racista, Donald Trump foi conquistando adeptos. Do lado Democrata, Hillary Clinton se surpreendeu com um candidato que corria por fora, bastante crítico das
A violência sexual como arma de guerra

A violência sexual como arma de guerra

Mariana Vieira de Mello Costa
Por Mariana Vieira de Mello Costa* A violência contra a mulher, forma de violação aos direitos humanos decorrente da desigualdade nas relações de gênero, é classificada por Portella (2005) concomitantemente como produto e como elemento estrutural na subordinação das mulheres. Podem ser consideradas “violência contra a mulher” as diversas modalidades de violações aos direitos humanos, tais como a violência de gênero, a violência sexual, a violência física, a violência doméstica, entre outras. A violência sexual, por sua vez, é classificada pela Organização Mundial de Saúde (2002) como qualquer ato sexual ou tentativa de obtenção de ato sexual por violência ou coerção, comentários ou investidas sexuais indesejados, atividades como o tráfico humano ou diretamente contra a sexualidade de u
O Presidente Trump

O Presidente Trump

Thales Castro
Por Thales Castro* A poucos dias das eleições americanas, é necessário que separemos bem as análises frias e objetivas da ciência política dos desejos subjetivos pessoais para esse pleito eleitoral (wishful thinking). Agora não poderia ser diferente. É momento de reflexão pontiaguda diante do cenário acirrado e complexo que se desenha nos EUA. O título deste ensaio já é bastante provocador e revela a preocupante tendência que se consolida diante do eleitor médio daquele país. De acordo com fatos recentes, observamos que há sim a possibilidade (bastante plausível) de os EUA terem Trump como presidente, com sua ultrapassagem de Hillary materializada na arrancada na reta final desta agressiva campanha. Vejamos cinco razões explicativas para tais evidências: 1. Em termos históricos e antr
Res. 1325 do Conselho de Segurança da ONU: relevância e controvérsias na concretização da igualdade de gênero

Res. 1325 do Conselho de Segurança da ONU: relevância e controvérsias na concretização da igualdade de gênero

Maria Ivanúcia Mariz Erminio
Por Maria Ivanúcia Mariz Erminio* Foto de Christopher Herwig As primeiras operações de paz da ONU durante a Guerra Fria eram compostas predominantemente por homens. Porém, a não diminuição da violência fez com que a organização passasse a buscar maneiras de realizar missões que levassem em conta a complexidade da situação enfocada. Assim, buscou-se transformar o perfil do soldado de paz para que este valorizasse a conciliação e o pacifismo, enquanto as mulheres (que já participavam, com pouquíssima expressividade, desde a década de 1950) eram alocadas em funções ligadas às unidades de saúde. Esforços de defensores dos direitos da mulher, tanto das Nações Unidas quanto de ONGs, foram promovendo a modificação das missões de paz na década de 1990. Como consequência, foram revistas as restr
O que realmente importa para o Brasil no debate sobre as bases russas na Venezuela?

O que realmente importa para o Brasil no debate sobre as bases russas na Venezuela?

Augusto W. M. Teixeira Júnior
Por Augusto W. M. Teixeira Júnior* Recentemente, um tema de política internacional de incomum repercussão pública voltou a tomar conta do noticiário: a possibilidade de implantação de novas bases militares na América do Sul por parte de potências extrarregionais. Nesta ocasião, a potência em questão é a Rússia. Entre aqueles que reverberaram a questão está o ex-embaixador Rubens Barbosa, agora presidente do Instituto de Relações e Comércio Exterior. Assumindo uma postura clara e direta, distinta da esperada de um diplomata, Barbosa apresentou um conjunto de argumentos em que afirma ser “inaceitável haver em nosso entorno de paz e cooperação bases de potência extrarregional” (BARBOSA, 2016, s/p), leia-se a Rússia. De fato, o ressurgimento do tema em apreço no contexto em que as relações